[Critica] – Marcelo Adnet não sabe mais contar piadas?

[Critica]   Marcelo Adnet não sabe mais contar piadas?   globo tv 2013

A saída de Marcelo Adnet da MTV para a Globo não poderia ter sido feita de maneira mais desastrada. O canal colocou o humorista/ator na trágica série (e era para ser comédia) O Dentista Mascarado, que só tinha uma única coisa legal: um Maverick verde quatro portas. De resto, nada se salvava. Culpa do Adnet e dos outros atores? Claro que não. A culpa maior é dos roteiristas/criadores Fernanda Young e Alexandre Machado. De bom mesmo, essa dupla só fez Os Normais e os outros seriados são daí para baixo. Nunca nada melhor. E, infelizmente, Adnet foi escalado para protagonizar a coisa toda num papel que poderia ter sido feito por qualquer ator.

O Dentista Mascarado não deu certo, foi mal de audiência e acabou de ser cancelado. Com toda razão, diga-se. E aí tinham que arrumar um lugar para Adnet. O resultado é um quadro sobre a Copa das Confederações dentro do Fantástico. Não dá para dizer que é a coisa mais engraçada da Terra até o momento, mas já mostra bem mais quem é o Adnet para o grande público. Mesmo assim, ainda está abaixo do que ele criou durante sua época na MTV, onde fez algumas coisas muito boas e divertidas, que até se transformavam em viral na internet. Mas já deu uma boa melhorada.

E respondendo à pergunta ali em cima, Adnet sabe sim contar piadas e é um dos melhores humoristas do Brasil. Basta colocá-lo no lugar certo que a coisa vai andar. A Globo acertou em cheio com Tatá Werneck, que está bem em Amor à Vida, e tem de encontrar o caminho para Adnet. Quem gosta do humorista tem de torcer.

Fonte: R7

Marcelo Adnet quer dirigir filmes para “quebrar ritmo” alucinante de atuações

Marcelo Adnet quer dirigir filmes para quebrar ritmo alucinante de atuações   cinema 2013

Depois de passar 2h15 no trânsito para chegar da zona sul do Rio de Janeiro ao set de filmagens do longa “Muita Calma Nessa Hora 2″, na zona oeste da cidade, Marcelo Adnet teve mais motivos para sua mudança de rumo. “Quero quebrar esse ritmo”, disse ele ao UOL, referindo-se à perda de tempo entre um deslocamento e outro para realizar seus trabalhos.

No ar pela TV Globo desde abril –depois de cinco anos na MTV–, Adnet disse que “é um tesão” se envolver com o cinema, mas ressalta as dificuldades do ritmo alucinante. “Costumo ter algumas férias em dezembro ou janeiro. É muito duro. Muitas vezes, as gravações começam muito cedo e terminam tarde. Por isso tenho que escolher a dedo os filmes [que vou fazer]“, contou ele, em meio às gravações da comédia dirigida por Felipe Joffily.

E, para driblar as dificuldades, Adnet já tem um plano B: “Quero dirigir ou escrever”. E ele já tem o rascunho de um projeto em curso. “Ainda não é oficial, mas existe um caminho que já está sendo percorrido. Acho que até este novo projeto eu faria, no máximo, só mais um filme”. Sua próxima ideia para o cinema é misturar humor e política, já de olho nas eleições de 2014. E admitiu que as manifestações que sacodem o país nas últimas semanas, inevitavelmente, servirão de combustível e inspiração para seu novo trabalho.

Ainda que, para ele, produções que se focam mais no enredo e que nem sempre têm tantos recursos técnicos disponíveis encontrem mais dificuldades nos tempos atuais. “O cinema artesanal, ousado e sensível está complicado de se fazer. Por causa do nosso ritmo de vida, fica mais difícil de as pessoas se interessarem e terem tempo”.

Para Marcelo Adnet, a velocidade dos smartphones e demais aparatos tecnológicos dita um ritmo que algumas vezes não contribui para o chamado cinema autoral ou de arte. “Ultimamente as pessoas têm muita pressa. A gente vive cada vez mais rápido por causa dos iPhones. Cinco segundos são uma eternidade. Isso atrapalha a questão do cinema autoral. Há pouca paciência. Tudo é dinâmico e rápido”.

Muita calma a si mesmo
Em meio a novos projetos e desafios, o ator disse que pediria “muita calma nessa hora” a ele mesmo. “A gente toma decisões por nossa conta, se enfia em compromissos, faz as coisas porque escolhe fazer. E é preciso calma para tomar essas decisões, porque a gente não pode culpar os outros. É preciso decidir com inteligência”, filosofou.

Sobre o personagem Augusto Henriques de “Muita Calma Nessa Hora” (2010), Adnet disse que ele volta na continuição praticamente do mesmo jeito que era. “Foi um dos meus papéis mais marcantes. Vejo que o pessoal repete nas ruas os bordões. Agora o Augusto envelheceu um pouquinho, mas continua o mesmo mauricinho paulistano, viciado em produtos importados e em baladas”.

“Muita Calma Nessa Hora 2″, escrita por Bruno Mazzeo e Augusto Casé, mostra o reencontro entre as quatro amigas do primeiro filme, três anos depois. O filme ainda não tem data para estrear, mas está previsto para chegar aos cinemas no primeiro semestre de 2014. No elenco estão ainda Heloísa Perissé, Fernanda Souza, Gianne Albertoni, Hélio de La Peña, Maria Clara Gueiros, Andréia Horta e Débora Lamm, além de participações de Alexandre Nero, Emilio Orciollo Netto, Paulo Betti e Alexandra Richter.

Fonte: UOL

Adnet filma ‘Muita calma nessa hora 2′ como paulista rico e sedutor

Adnet filma Muita calma nessa hora 2 como paulista rico e sedutor   cinema 2013

Marcelo Adnet filma no Rio a sequência do longa “Muita calma nessa hora”, de Felipe Joffily. O ator repetirá o papel do paulista de sotaque puxado Augusto Henrique, que usará seu carro, camarote V.I.P. e equipamentos eletrônicos de última geração como armas de sedução.

Fonte: O Globo

“Virei um vendido, um crápula”, diz Marcelo Adnet após chegada à Globo

Virei um vendido, um crápula, diz Marcelo Adnet após chegada à Globo   tv marcelo adnet globo tv 2013

Em uma quinta-feira (20) de ebulição no Rio de Janeiro, com mais um dia de protestos que reuniram 300 mil pessoas nas ruas e colapsaram vários bairros, o humorista e ator Marcelo Adnet também estava no clima efervescente da cidade, durante as filmagens da segunda parte do filme “Muita Calma Nessa Hora”, novamente dirigido por Felipe Joffily.

Seu ritmo alucinante, que já inclui 15 longas, seis anos de trabalho ininterrupto nas telas, teatro e a ida para a TV Globo após cinco anos de MTV, o fazem passar por uma série de mudanças.

As críticas sobre o salto de um formato mais alternativo para o padrão Globo de qualidade não tiram o sono do ator, mas o Google Alerts do seu smartphone o mantém atento sobre o que é falado sobre ele na mídia. “Não é fácil. Tem muita torcida contra, do povo e da imprensa. Isso é uma coisa nova para mim. Nestes cinco anos de MTV ainda não tinha passado por isso. Agora eu sou um vendido, um crápula, apóio a ditadura”, brinca, com o gancho das manifestações. “E na verdade, o meu fracasso é um produto legal. Prova muitas teorias conspiratórias, serve para as pessoas não mudarem discurso”, analisa, incisivo.

Mas ele demonstra que a aposta alta foi consciente: “Já que era pra brincar de TV aberta, achei legal ir para a Globo e brincar para valer. Eram cinco anos de aposta em um formato. Agora é surpreendente, é novo. E não é fácil”.

Fonte: UOL