‘Eu acho que é um privilégio fazer humor no Brasil’, afirma Marcelo Adnet

‘Não acho difícil fazer humor no Brasil. O Brasileiro gosta de humor’, conta o artista

Colaboração: Taynara Eu acho que é um privilégio fazer humor no Brasil, afirma Marcelo Adnet   marcelo adnet

Fonte: Radio Globo

Galeria de foto: Tá no Ar: A TV na TV

Com Adnet, Globo ironiza programação de concorrentes em novo humorístico

Com Adnet, Globo ironiza programação de concorrentes em novo humorístico   ta no ar tv

A nova aposta de humor da Globo, “Tá no ar: a TV na TV” estreia dia 10 de abril e traz Marcelo Adnet e Marcius Melhem a frente do programa que promete brincar com a programação da televisão incluindo os canais abertos, fechados, além da própria emissora.

Durante um clipe para apresentação à imprensa, nesta segunda-feira (24) no Rio de Janeiro, foi possível ver Adnet imitando Silvio Santos num programa de auditório, Jesus Cristo em um clipe de funk ostentação e confirmar que a dobradinha humor e política deve fazer sucesso com o “Fiança Esperança”.

O tabu de que a Globo não fala de outras emissoras como SBT, Band e RedeTv! também é quebrado no programa.

“A gente satiriza os gêneros, mas não faz paródia direta da programação e sim um humor em cima da TV. Brincamos com a Globo também, é como se a gente tivesse com o controle remoto e apresentamos diversos programa em cada episódio”, explica Marcius Melhem, que ainda completa:

“A gente não quis apontar o dedo, queremos que cada um coloque a crítica em quem quiser. Quando a gente faz um programa policial, por exemplo, não fazemos o Datena ou Marcelo Rezende, é um cara específico que tem um pouquinho de cada um”.

Entre as 28 esquetes por episódios estão os dilemas da mulher nacional no seriado “Sexy Indecisa”, o dia a dia de um médico brasileiro na série “Dr SUS” e a novela “Tretas do Coração”.

“É muito bom você ter liberdade, no humor existe essa irreverência. A gente está acompanhando a maneira como a sociedade vem acompanhando certos assuntos, o brasileiro é muito bem humorado. O humor tem andado por regiões mais ousadas e a TV está avançando neste novo território”, aposta o diretor Mauricio Farias.

Participações especiais

Com duração de 25 minutos, o “Tá no ar: a TV na TV”, que será exibido às quintas-feiras após  “Doce de Mãe” até o dia 5 de junho, terá ainda participações de Fátima Bernardes, Ricardo Macchi, Carlinhos de Jesus, dentre outros.

Sobre a inevitável comparação com o “TV Pirata”, transmitido pela Globo entre 1988 e 1992, o diretor aponta semelhanças, já que ambos os humorísticos falam da televisão, mas garante que muita coisa mudou com o tempo.

“O programa tem uma pegada diferente. O Brasil mudou, a televisão mudou, o ritmo da comédia também”, diz ele. “Já estava na hora de revisitar o tema, é outra TV, é um outro tempo, um universo cada vez mais rico e é bom falar um pouco do que está acontecendo por aí. Se a gente chegar perto do sucesso que eles fizeram, está excelente”, completa Marcius.

Melhem, o idealizador do projeto, pensou num programa para Adnet brilhar. Após uma conversa, eles se juntaram e, além de atores, são os redatores finais do programa.

“O Marcius foi muito generoso comigo. É um cara que conhece a casa muito melhor do que eu, ele me deixou muito a vontade para trabalhar, para ser como eu sou. A gente é diferente, mas a gente se complementa”, agradece Adnet.

A abertura conta com a regravação da música “Televisão” feita pelo Titãs especialmente para o programa. No elenco estão ainda Danton Mello, Luana Martau, Carol Portes, Georgina Goes, Marcio Vito, Maurício Rizzo, Renata Gaspar, Veronica De bom e Welder Rodrigues.

“O improviso é maravilhoso, sou viciado, mas é uma experiência solitária. Foi uma novidade trabalhar num programa que conta com nove redatores, a gente veio escrevendo desde julho do ano passado até um mês atrás. Acho que esse elenco tem uma força incrível, porque tem talentos específicos e diferentes, não é um elenco óbvio, batido”, conclui Adnet.

Globo libera Marcelo Adnet e Marcius Melhem para satirizarem concorrência: “Tabu nenhum”

Em “Tá no Ar: a TV na TV”, atores, que assinam juntos a redação final da atração, receberam carta branca para falar sobre tudo

Globo libera Marcelo Adnet e Marcius Melhem para satirizarem concorrência: Tabu nenhum   ta no ar tv

Marcelo AdnetMarcius Melhem e grande elenco se reuniram na noite de segunda-feira (24), no Projac, para apresentar à imprensa o mais novo humorístico da Globo: é o “Tá no Ar: a TV na TV”, que fala, como o próprio nome já dá a entender, sobre televisão. Qualquer comparação com “TV Pirata” ou “Casseta & Planeta” era mais do que esperada pelos redatores finais da atração e pelo diretor, Mauricio Farias, e o discurso de defesa estava na ponta da língua.

“A ‘TV Pirata’ é um marco na televisão. O nosso programa, evidentemente, tem semelhanças, porque fala sobre televisão, mas ele tem uma pegada bem diferente. A gente está muito tempo depois, são quase 30 anos depois. O Brasil mudou, a TV, as pessoas, e consequentemente, o tipo de humor mudou. Agora, o que é engraçado é engraçado sempre. Se a gente chegar perto da graça que era ‘TV Pirata’, acho que a gente vai estar muito bem”, disse o diretor da atração, que estreia dia 10 de abril após “Doce de Mãe”.

A pegada forte de “Tá no Ar” é satirizar todo e qualquer gênero da TV. Atenção: todo e qualquer gênero. Mas Melhem alerta que ninguém vai apontar o dedo na cara de ninguém, nem imitar personagens e muito menos inventar nomes engraçados para paródias. “Quando a gente faz um programa policial, a gente não faz o Datena ou o Marcelo Rezende. A gente faz um cara específico que tem um pouquinho de cada um. A gente se aproxima da pessoa, mas não a legenda. Você, em casa, decide quem ela é”

Opa, opa, então espera aí. Quem é esse cara falando “má oêêê” no clipe exibido para a imprensa na coletiva? Silvio Santos foi citado e ainda deu o tom do programa no texto: “má oê, acho que estou no canal errado…”. O que Adnet e Melhem construíram é um programa de 25 minutos que retrata uma zapeada frenética pelos canais existentes. É como se o telespectador não tivesse um controle remoto na mão.

“A gente troca o canal por você. Então, às vezes você vê programas inteiros, às vezes você vê um pedaço, às vezes uma frase só, às vezes um comercial…”, contou o ator e roteirista.

O “trocar o canal por você” implica em cair em gêneros apresentados em outras emissoras, como Record, Band, Rede TV! e canais a cabo, entre outros. Aliás, ainda no clipe para a imprensa, Adnet aparece em uma esquete listando as concorrentes da Globo na pele de um revolucinário. Melhem comentou a liberdade que eles adquiriram para realizar o feito.

“Essa história da Globo não ter tradição ou não poder (falar de outras emissoras)… Na verdade, ficam umas coisas no ar que a Globo não deixa isso ou aquilo, mas isso nunca chegou (para nós), não foi uma questão. A gente foi fazendo o que achava que era legal fazer, e fomos avançando e fomos fazendo”, afirmou.

Maurício completou: “A gente não faz paródia, salvo algumas exceções, que a piada é tão boa que a gente não resistiu. De fato, não é para fazer uma paródia em cima da programação da TV brasileira, e sim fazer humor em cima da televisão de um modo geral. E também brincar muito com a gente mesmo. A Globo é uma das maiores produtoras do mundo. A gente tem muito assunto para brincar, se divertir, para rir de si mesmo, das qualidades, das críticas que a gente tem… O programa pega essa carona”.

O diretor ainda definiu a atração como “uma espécie de antena do que está acontecendo no Brasil”. Por isso, para manter a zapeada quente, os roteiristas (uma equipe com nove) incluíram assuntos polêmicos, como política e religião. “Nem nos foi colocado nenhum tabu e nem a gente se colocou nenhum tabu. Acho que a questão não é o que a gente vai falar, e sim como a gente vai falar. O que a gente procura é fazer as críticas que a gente quer fazer de forma elegante. Nada é sagrado para nós. Tem religião, todas. Tem política a dar com pau… Os temas mais espinhosos a gente trata com mais cuidado, mas trata”, avisou Melhem.

Com tanta diferença e ousadia, claro que o índice de audiência é importante para definir muitas coisas, inclusive uma segunda temporada (o programa vai até 5 de junho, uma semana antes da Copa).

“A meta que a televisão tem é uma meta de horário. De cabeça, agora, eu nem me lembro qual a meta do horário do nosso. Mas, para ser sincero, eu estou na Globo há um tempão e nunca fiz nada pensando na meta, porque não dá para fazer pensando em números. Você tem que fazer aquilo acreditando que todo mundo vai gostar. Aonde você vai chegar você nunca vai saber. Pelo menos é essa sensação que eu tenho”, falou Maurício.

Para a estreia, uma surpresa já foi revelada: Ricardo Macchi é o convidado especial. “Fátima Bernardes também vai fazer… E Carlinhos de Jesus já gravou”, avisou o diretor. Completam o elenco do humorístico Danton MelloLuana MartauCarol Portes,Georgiana GoesMarcio VitoMaurício RizzoRenata GasparVeronica Debom eWelder Rodrigues.

Fonte: iG